Liliane Pellegrini, a autora

Uma alma viajando pelo tempo em busca do autoconhecimento. Admiradora das estrelas e das flores. Acredito que estamos neste planeta azul com um propósito: revelar o potencial da nossa Alma. Por isso, me dedico a uma Astrologia além da adivinhação e estereótipos, uma Astrologia voltada para a Alma. Também, por isso, conto com a energia sutil das essências florais para equilibrar a manifestação da nossa essência no mundo. E, por fim, apesar de atuar exclusivamente como terapeuta holística, aplico ferramentas e conhecimentos da minha formação em Psicologia, especialmente da linha Junguiana e Terapia Familiar Sistêmica.

Inquieta, concilio outras atividades profissionais, mas a minha missão de vida é ajudar pessoas a reencontrarem-se com a sua Alma por meio do autoconhecimento.

Eterna aprendiz e, muitas vezes, auto-didata, tenho formação em: Astrologia; Terapia Floral (Bach, Califórnia, Alaska, Austrália Bush, Austrália Living Essences,Pacífico, Holanda e Minas) e Aromaterapia.

Iniciei os estudos de Astrologia aos 10 anos de idade ao me deparar com livros e apostilas sobre o tema que pertenciam ao meu avô. Sou auto-didata e aprendi a fazer mapas à mão, antes dos programas de computador se popularizarem. Era preciso utilizar tabelas de efemérides importadas; logaritmos e compasso. Mesmo com prática, o cálculo era trabalhoso. Hoje, na era da informação, os cálculos são instantâneos, mas a sua interpretação ainda exige estudos aprofundados.

Realizei a graduação em Psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie – turma de 1999. Publiquei artigos e apresentei trabalhos em Congresso sobre terapia de casal e sandplay (terapia da caixa de areia), conciliando a abordagem de Jung e a Terapia Familiar Sistêmica.

Também sou pós-graduada em Marketing (Mackenzie); tenho MBA em Gestão e Empreendedorismo Social (FIA/USP) e sou Mestre em Comunicação (Cásper Líbero).

Sincronicidade: o que é isso?

O termo foi cunhado pelo psiquiatra suíço Carl Gustav Jung (1875 -1961) para designar uma coincidência significativa de dois ou mais elementos sem nenhuma relação causal aparente, podendo ocasionar uma interdependência entre eventos objetivos e estados subjetivos (psíquicos).

Jung reconhece que o conceito foi inspirado em muitas fontes, entre estas: a simpatia de todas as coisas de Hipócrates; a ideia de mônada do alquimista Zózimo; a alma universal de Plotino; a prima causa de Schopenhauer e os quatro princípios de Leibniz (espaço, tempo, causalidade e correspondência).

O autor define também três tipos de sincronicidade:

1. coincidência de um estado psíquico com um evento externo objetivo simultâneo.

2. coincidência de um estado psíquico com um evento externo simultâneo, mas distante no espaço.

3. coincidência de um estado psíquico com um evento externo distante no tempo.

Dessa forma, observa-se que nos fenômenos sincronísticos, assim como outras manifestações do inconsciente, o tempo e o espaço são relativos de modo que o fenômeno ocorre independente destes.

Além disso, o significado acausal não é aleatório, uma vez que se refere a um arquétipo constelado, cuja simbologia é específica e previsível.

Em síntese, sincronicidade é uma coincidência significativa. A palavra tem origem no termo grego syn (junto) e chronos (tempo).

Qual o significado de lab?

Abreviatura de laboratório, local onde são desenvolvidos pesquisas e testes, manipuladas substâncias químicas e preparados medicamentos. Remete a algo experimental e ainda em desenvolvimento.

A palavra laboratório pode ser decomposta em labor (trabalho) e oratório (local de orações) e associada com os alquimistas medievais. Os alquimistas também eram médicos, filósofos e astrólogos. Os experimentos alquímicos buscavam a transformação do metal em ouro por meio da pedra filosofal e o elixir da vida que conferia a imortalidade.

Em síntese, lab remete ao que é experimental e se encontra em desenvolvimento, exigindo pesquisa e estudos profundos.

Compartilhe